fabricante: Olympikus

A empresa brasileira de tênis para corrida lança mais um modelo inspirado na Maratona do Rio, o Olympikus Rio 5. Apesar do modelo integrar a categoria Amortecimento no site da empresa, as características do tênis englobam muito mais a categoria de performance ou desempenho, para corridas rápidas com caráter responsivo.

Uma entressola baixa, os já comuns 10mm de drop e uma nova face, se comparada ao modelo anterior, expõe esse modelo que, ao que tudo indica, não agradou muito os especialistas em tênis para corrida. Contudo, usuários aparentemente gostaram em demasia, sobretudo analisando o custo/benefício da peça.

Custando em torno dos R$ 250, este modelo agrada em alguns pontos, mas deixa muito a desejar em outros. Ao que parece, a Olympikus fechou os ouvidos para as críticas ao quarto modelo da linha e repetiu, mais uma vez, uma série de erros que podem custar caro na venda do calçado.

  • Especialistas
  • Usuários
1 a 20 21 a 40 41 a 60 61 a 80 81 a 90 91 a 100

Média Geral

0 usuários: 0 / 100

1 especialistas: 65 / 100

Dê a sua nota:

Olympikus Rio 5 é bom?

Prós

  • Ajuste

    Adequado, mas ainda assim nada surpreendente, devido ao colar largo de encaixe que obriga o corredor a adotar o último furo para uma melhor corrida.

  • Conforto interno

    O tecido que compõe o interior, bem como o preenchimento de espuma agrada bastante ao encaixar o pé no calçado.

  • Flexível

    O tênis é suficiente flexível na região do médiopé até o antepé, oferecendo uma boa propulsão após a pisada e consequente transição (bastante rápida).

  • Custo/benefício

    O valor é bem atraente e considerável para relevar alguns problemas que o calçado possa apresentar para corredores que já não são mais iniciantes no mundo da corrida de rua.

  • Suporte

    Bastante estabilizado na pisada, o tênis não compreende qualquer problema ao longo da aterrissagem. Os tornozelos permanecem intactos durante o trajeto, não promovendo qualquer estresse na região.

Contras

  • Poucas Mudanças

    Em relação ao Olympikus Rio 4, que sofreu inúmeras críticas, as mudanças (acompanhadas dos erros) permaneceram. A forma ficou um pouco estreita, mas desde o design e algumas poucas alterações no cabedal foram notadas.

  • Defeitos pontuais

    Faltou capricho no acabamento do Olympikus Rio 5. Muitos defeitos amadores de composição que acabam deixando o tênis com aspecto de “desleixo”.

  • Solados diferentes

    Apresentando aberturas no centro solado, sendo a abertura do pé esquerdo mais estreita que a do direito.

  • Desempenho

    Contando eficiência, conforto e resistência, o tênis deixa bastante a desejar. Com menos de 50km percorridos, já é possível notar desgaste no solado e na entressola.

  • Ventilação

    Apesar de recobrir uma tela com alguns furos que até lembram os modelos Kayano, o tecido de sobreposição impede uma entrada de ar mais singela.

Avaliações especialistas

  • Sérgio Rocha

    Eu tenho um protocolo aqui no Corrida no Ar que, para fazer um review, eu preciso correr, no mínimo, 70km com o calçado. Com esse modelo, o Olympikus Rio 5, eu não consegui correr quase nada com ele. Eu tentei correr três vezes com ele, e por duas vezes eu voltei para casa para trocar ele. Não deu, o desconforto era enorme.

Atributos

  • Tecnologia

    - EVAPRO: Oferece amortecimento e conforto ao usuário, além de promoção de flexibilidade e leveza ao calçado.

    - Supporter: Promove estabilidade ao longo das passadas.

  • Durabilidade

    Um tecido de cabedal que, apesar da sobreposição, mantêm-se simples e nada resistente. Assim como a entressola, que apenas é um revestimento em espuma que não apresenta qualquer tipo de proteção. Por fim, o solado em borracha, que, em teoria, deveria promover maior resistência e durabilidade, acaba por receber um alto desgaste após poucos quilômetros percorridos.

  • Amortecimento

    Passando na média de raspão. Com espuma de EVA não há como errar. Mesmo que não seja a melhor experiência de amortecimento do mundo, ainda assim agradou mesmo que sem empolgação.

  • Flexibilidade

    Apresenta uma estrutura na região do contraforte para promover firmeza cobrindo a região do retropé. A partir do médiopé até o antepé é perceptível uma grata flexibilidade que foi bastante elogiada por quem experimentou.

  • Ventilação

    A construção de cabedal com um tecido compondo tramas abertas foi uma excelente ideia. Seria, na realidade, se não fosse o caso da sobreposição que impede entrada e circulação de ar no interior da peça.

  • Aderência da Sola

    Adequada e com bom grip apresentado. A tração realmente auxilia na propulsão para as passadas seguintes, mantendo o pé firme e estabilizado no chão ao aterrissar.

Características

  • Cabedal

    Cabedal

    Um tecido leve que não chega a ser um mesh e com sobreposição um pouco agressiva. Impede entrada de ar e falta refinamento.

  • Entressola

    Entressola

    Em espuma chamada de EVAPRO pela Olympikus que não há como errar. Promovendo uma boa aterrissagem e resposta que se espera de um tênis de performance.

  • Solado

    Solado

    Emborrachado e acoplado da tecnologia Supporter que garante uma aterrissagem segura e estabilizada ao corredor.

ANÁLISE

O Olympikus Rio 5 é o modelo comemorativo da Maratona do Rio de Janeiro. Como patrocinadora oficial da prova, a Olympikus faz muito bem em construir um modelo exclusivo de comemoração por uma prova tão importante para os corredores do Brasil.

Contudo, ela realmente peca na qualidade do modelo como um todo. Seria muito bom que a empresa inspirasse tantas outras patrocinadoras de provas pelo mundo a fazer o mesmo, mas claro com maior atenção aos detalhes e à qualidade final da peça entregue.

Pontos positivos em detalhes do Olympikus Rio 5

É impossível descrever um tênis apenas sob aspectos negativos. O Olympikus Rio 5 tem suas qualidades, mas elas acompanham muito mais o mínimo do que, propriamente, o destaque. Com poucos detalhes salientes como positivos na construção, o modelo, em essência, apresenta um conforto agradável (nada excepcional), um ajuste interessante e uma flexibilidade significativa.

Os pontos negativos que se sobressaem

Infelizmente são eles que se sobressaem na peça. A falta de capricho é imensa, com algumas gravações fora de enquadramento, por exemplo. Mas o que realmente foi o ponto alto da baixa qualidade do calçado fora o solado: eles são diferentes! Exatamente, as aberturas que cortam o solado ao meio são diferentes em espessura, o que só denota uma falta de capricho em detalhamento do que, propriamente, um detalhe de destaque e inovação. Um erro… um erro gravíssimo.

Nosso veredicto? Mesmo que os R$ 250 reais possam ser um interessante valor, o Olympikus Rio 5 segue os mesmos problemas de sua edição anterior. Por um valor menor, com mais qualidade e da mesma marca, o Challenger se torna uma opção muito mais viável e agradável. Para colecionar os modelos da edição, ótimo. Já para correr, o Olympikus Rio 5 fica melhor na prateleira.